quarta-feira, 23 de maio de 2012

DETERMINAÇÃO DO LIMITE DE LIQUIDEZ

Execução do Ensaio

" Usar quantidade de amostra de acordo com a NBR 6457. "
- Colocar a amostra na cápsula de porcelana, adicionar água destilada em pequenas quantidades, amassando e revolvendo, vigorosa e continuamente com auxílio da espátula, até obter uma pasta bem homogênea, com tal consistência que sejam necessários cerca de 35 golpes para fechar a ranhura. 
- O tempo de homogeneização deve estar entre 15 e 30 minutos, sendo o maior intervalo de tempo para solos argilosos. 
- Colocar parte da mistura na concha do aparelho Casagrande, moldando de forma que na parte central a espessura seja de 10 mm, (realizar esta operação sem deixar bolhas no interior da mistura). 
- Dividir a massa em duas parte utilizando o cinzel para abrir uma ranhura em sua parte central. 
- Golpear a concha do aparelho (casagrande) contra a base, deixando-a cair em queda livre, girando a manivela à razão de duas voltas por segundo, e anotar o número de golpes necessário para as bordas inferiores da ranhura se unam ao longe de 13 mm de comprimento, aproximadamente.
- Transferir imediatamente, uma pequena quantidade do material de junto as bordas que se uniram para um recipiente adequado para determinação da umidade.
- Adicionar água destilada à amostra e homogeneizar no mínimo 3 minutos.
- Repetir as operações até obter os 5 pontos.
Obs: Este ensaio deve ser realizado em ambiente climatizado!

Cálculo:
Com os resultados obtidos, deve-se fazer um gráfico no qual as ordenadas (em escala logarítmica) são os números de golpes e as abcissas (em escala aritmética) são os teores de umidade correspondentes e ajustar uma reta pelos pontos assim obtidos. Obter na reta o teor de umidade correspondente a 25 golpes, que é o limite de liquidez do solo. (Caso seja impossível conseguir a abertura da ranhura ou o seu fechamento com mais de 25 golpes, considerar a amostra como não apresentando limite de liquidez (NL) ).

Bibliografia: ABNT e Livro: Mecânica dos Solos e suas Aplicações de Homero Pinto Caputo. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário